Descontrole emocional desclassifica Novak Djokovic do US Open

Talvez você tenha assistido a desclassificação do Novak Djokovic a partir de sua casa, ou apostando em simultâneo com o seu Bônus de boas-vindas, ou até mesmo poderá não ter tido a oportunidade de assistir. O grande jogador Novak Djokovic foi desqualificado em um dos campeonatos de tênis mais famosos do mundo por descontrole emocional e aqui você poderá acompanhar como foi que isso aconteceu.

O motivo da desclassificação

Como foi amplamente divulgado pela mídia, no início de setembro o nº 1 atual do Tênis foi desclassificado do US Open por ter sido protagonista de um ato que dividiu opiniões dentro do seu próprio ambiente. Considerado por uns como indisciplina, por outros como violência assumida e por outros como “azar”, o ato criado pelo descontrole emocional pode gerar, para Novak Djokovic, imenso prejuízo à sua carreira.

Ocorre que, o tenista, após perder o primeiro set da partida, num ato de frustração ou irritação, tira uma bola do bolso e arremessa com a raquete aleatoriamente, atingindo um dos árbitros de linha, que cai ao chão tentando recuperar a respiração, visto que a bola atingiu-a com força na garganta.

Mesmo tendo socorrido a senhora atingida e se desculpado pelo ato lamentável, os juízes entenderam que era necessário e cabível a desclassificação, pelo comportamento indevido. A perda da quarta rodada o colocou em terceiro lugar, atrás dos seus principais rivais. Em uma partida onde ele esperava diminuir as diferenças entre ambos, uma vez que não participavam do torneio, um ato apenas de descontrole o priva de alcançar seu objetivo.

Outros casos semelhantes

A desqualificação de Novak Djokovic teve precedentes há cerca de 30 anos atrás, quando John McEnroe, reconhecido como um dos tenistas mais temperamentais da história, foi expulso do Aberto da Austrália. Mesmo sendo treinado por especialista com métodos para controle das emoções, foi protagonista de vários episódios que seriam considerados como indisciplina ou desacato. Apesar da carreira promissora, dois anos após a punição, que incluiu a perda do título, abandonou as quadras aos 33 anos.

Além de McEnroe e Djokovic, temos uma longa lista de tenistas considerados polêmicos, por sua personalidades agressivas, irreverentes ou irritadiças, que contradizem o esporte conhecido por pregar o respeito, dentro e fora da quadra, em qualquer circunstância.

Treinar o emocional é tão importante quanto o físico

Desportistas geralmente estão expostos à grande pressão emocional, além do desgaste físico. O Tênis, com suas partidas de longa duração, impõem ao jogador a necessidade um excelente preparo físico e técnico, onde se destacam os mais preparados.

Independentemente do esporte praticado, os jogadores dependem, ainda, de manter domínio sobre as emoções, uma vez que as consequências da não observância podem ser desastrosas para a conservação da equipe, no caso de esportes coletivos, ou da sua posição no ranking, no caso dos esportes solitários como o tênis. A necessidade de se trabalhar o emocional tanto quanto o físico, tem se mostrado cada vez mais necessário, principalmente para os jogadores de esportes altamente rentáveis, que manipulam grandes somas de valores e, consequentemente, muita pressão emocional a cada disputa.